TSE não quer que Bolsonaro fale sobre “Kit Gay” nas escolas

De acordo com recente publicação da revista exame, o Tribunal Superior Eleitoral determinou a remoção de seis

 16 de outubro de 2018 | 15h29
Por Guto Zacarias

De acordo com recente publicação da revista exame, o Tribunal Superior Eleitoral determinou a remoção de seis postagens no Facebook e Youtube em que Jair Bolsonaro, candidato á presidência da República pelo PSL, faz critica ao livro “Aparelho sexual e Cia.”, afirmando assim, que o ministério da educação produziu o material.

Vale destacar que, na época, o ministério da educação estava a cargo de Fernando Haddad, candidato á presidência da República pelo partido dos trabalhadores.

Segundo a reportagem: “Bolsonaro afirma que o livro é ‘uma coletânea de absurdos que estimula precocemente as crianças a se interessarem pelo sexo’. ‘No meu entender, isso é uma porta aberta para a pedofilia’, diz o candidato do PSL, que ainda afirma que ‘esse é o livro do PT'”.

“O candidato vem proferindo esta grave mentira há mais de dois anos. A informação de que o livro seria distribuído em escolas públicas começou a ser difundida por Bolsonaro no dia 10 de janeiro de 2016 através de um vídeo que publicou no Facebook”, observa a coligação de Haddad.

É, parece que as instituições públicas estão cada vez menos preocupadas com a população.