TSE contradiz narrativa da esquerda sobre fake news no segundo turno

Ao contrário do que a esquerda está falando exaustivamente, o Tribunal Superior Eleitoral constatou que a quantidade

 25 de outubro de 2018 | 12h35
Por Francine Galbier

Ao contrário do que a esquerda está falando exaustivamente, o Tribunal Superior Eleitoral constatou que a quantidade de fake news disparadas no segundo turno foi inferior à da primeira fase da disputa presidencial, registrou a Folha. A informação foi divulgada após um balanço realizado pelo TSE.

A história repetida pelos partidos e militância de esquerda é de que Jair Bolsonaro estaria com vantagens nas pesquisas por uso excessivo de fake news contra Haddad. Mas a realidade é outra; o PT se provou muito mais ativo na divulgação de informações falsas que saem da boca do próprio candidato.

A última de Haddad foi acusar o vice da chapa do PSL, Hamilton Mourão, de ter torturado o cantor Geraldo Azevedo durante o regime militar. Só que na época da prisão do cantor, Mourão tinha apenas 16 anos e sequer estava no exército. Esse é só um exemplo.

A própria Folha de S. Paulo acusou empresários de prática de caixa 2 por compra de pacotes de disparos de mensagens no WhatsApp, que seriam com notícias contrárias ao PT. Isso, segundo a reportagem, favorecia a campanha de Jair Bolsonaro. Foi por conta dessa reportagem em questão que o TSE se viu obrigado a fazer o balanço sobre a quantidade de notícias falsas que circularam no primeiro e segundo turno.

É a mesma Folha de S. Paulo que reporta a constatação do TSE que quebra a narrativa usada pela esquerda para tentar justificar o vexame que estão passando na corrida eleitoral.

Imaginem o clima dentro da redação? Mês horrível para a esquerda.