Toffoli pede que PGR tome providências contra ‘ofensas’ ao STF

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, pediu para que a Procuradoria-Geral da República e a Polícia

 6 de dezembro de 2018 | 11h34
Por Rafael Rizzo

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, pediu para que a Procuradoria-Geral da República e a Polícia Federal apurem o episódio que aconteceu essa semana entre o advogado Cristiano de Acioli e o ministro Ricardo Lewandowski.

O caso aconteceu em um voo entre São Paulo e Brasília. Cristiano percebeu que estava sentado próximo a um ministro do STF e disse que tinha vergonha do Supremo. Lewandowski mandou a PF prender ele por isso, o que aconteceu assim que o avião pousou em Brasília.

Cristiano foi conduzido para a Superintendência da Polícia Federal, prestou depoimento e foi liberado. Ele deu uma entrevista exclusiva para este blog ontem. Leia a entrevista aqui.

Ontem, dia 6, pela noite, o ministro Dias Toffoli enviou um ofício à PGR sobre o episódio

“Solicito que sejam adotadas as providências cabíveis quanto aos fatos narrados pela Secretaria de Segurança desta Corte e consistentes em ofensas dirigidas ao Supremo Tribunal Federal, ocorridos, na data de ontem, com o senhor ministro Ricardo Lewandowski, em voo comercial que partiu de São Paulo com destino à Brasília.”

Um ofício também foi enviado para o Ministério da Segurança Pública.

Um inquérito sobre o caso também já foi aberto pela Polícia Federal na terça, dia 4.

As informações são do Estadão e do Antagonista.

Sobre o ocorrido, o MBL – Movimento Brasil Livre foi até a frente do STF logo no dia 4 se manifestar contra o autoritarismo de Lewandowski. Além disso, começou a vender uma camiseta “Vergonha do STF” em sua loja.

Veja fotos do ato abaixo: