Segunda turma julgará novo pedido de liberdade de Lula com base em indicação de Moro a ministério

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, deixará para a segunda turma

 6 de novembro de 2018 | 11h13
Por Rafael Rizzo

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, deixará para a segunda turma a decisão sobre um novo pedido da defesa de Lula que quer anular o processo sobre o triplex no Guarujá e a consequente liberdade do ex-presidente.

A defesa de Lula alega que a aceitação de Moro para o Ministério da Justiça no governo Bolsonaro indica imparcialidade do magistrado. Diz trecho da peça:

“Segundo recentes revelações, já públicas e notórias, [Moro] mantinha contato com a alta cúpula da campanha do presidente eleito –que, por seu turno, manifestou desejo de que o Paciente venha a ‘apodrecer na cadeia'”
A segunda turma é composta pelos ministros Edson Fachin, Gilmar Mendes, Lewandowski, Celso de Mello e pela ministra Carmen Lúcia, substituindo Dias Toffoli, que foi para a presidência do Supremo.
Moro condenou Lula à prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em julho de 2017. A sentença foi confirmada por 3 desembargadores do TRF-4. Pedidos de suspeição do juiz Moro apresentados pela defesa de Lula já foram negados em 3 instâncias.
Os processos da Lava Jato continuam normalmente, mas agora administrados pela juíza Gabriela Hardt, que ficará à frente da operação até um novo juiz titular ser escolhido pelo TRF4.
As informações são do UOL.