fbpx
São Paulo » Transporte Público
Retrocesso: Prefeito Bruno Covas está apreendendo patinetes elétricos em SP

Mais de 500 patinetes foram confiscados pela prefeitura na última quarta-feira.

30/05/2019 17h24

Prefeito da quinta cidade mais populosa do mundo (São Paulo), Bruno Covas, ao regulamentar as empresas de patinetes elétricos, está provando que não tem o menor interesse em aplicar soluções inovadoras e sustentáveis para a mobilidade urbana. Isso porque a inovação, geralmente, coloca em risco as antigas corporações – as quais, curiosamente, sempre são defendidas pela velha política.

Bruno quer, agora, que esse meio de transporte ceda às regulamentações da prefeitura. No dia 14 de maio, foi publicado no Diário Oficial da Cidade um decreto que regulamenta o uso do patinete, incluindo obrigatoriedades – como o uso do capacete – as quais, se não cumpridas, resultam em multas.

Seria isso uma preocupação da prefeitura com a integridade física do seu povo, ou só mais uma forma de arrecadar dinheiro do cidadão e evitar que a população deixe de usar os serviços oferecidos pelas empresas – controladas pelo governo – de transporte público? Certamente a segunda opção.

O secretário municipal de Mobilidade e Transporte de São Paulo, afirmou, nesta manhã de quinta-feira (30/05), que as empresas ainda estão agindo “de certa forma, à margem da lei”, posto que o decreto delimitou 15 dias para credenciamento, mas nenhuma companhia realizou o cadastro.

Ontem, quarta-feira (29/05), 557 patinetes foram confiscados na cidade por estarem “operando ilegalmente”. Um absurdo. “Não é porque é nova tecnologia que não precisa de regra aqui em São Paulo”, afirmou Bruno Covas – aparentemente, andar de patinete elétrico é uma ameaça à ordem pública.

O vereador Fernando Holiday já se comprometeu em entrar na justiça contra o caso. ” Já entrei com Projeto (PDL 43/19) contra o decreto do prefeito e vou à justiça contra isso”, afirmou em seu twitter.

Entusiasta política e acadêmica de Engenharia Química (UFPR) nas horas vagas; liberal na economia e nos costumes. Diretamente da República de Curitiba.