Proposta de Haddad de congelar preço do gás já quebrou a Petrobras

Na reta final da campanha presidencial, o candidato do PT, Fernando Haddad, repete o populismo fiscal de

 25 de outubro de 2018 | 13h43
Por Rafael Rizzo

Na reta final da campanha presidencial, o candidato do PT, Fernando Haddad, repete o populismo fiscal de Dilma Rousseff e Lula anunciando que, se eleito, irá congelar o preço do gás, colocando um teto máximo no valor de R$ 49 em todo o Brasil.

A proposta de congelamento de preços não é uma novidade no Brasil. Ainda sofremos com as consequências desse populismo fiscal feito por Dilma Rousseff 4 anos atrás. Na ocasião, a presidente petista congelou o preço da gasolina para segurar a inflação e, como era véspera de eleição, propagandeou que a gasolina estava barata durante seu governo.

O caso rendeu até um processo do Ministério Público Federal contra o então ministro da Fazenda Guido Mantega e a então presidente da Petrobras Graça Foster. Eles foram acusados de improbidade administrativa por agir “em detrimento da própria companhia”.

Mas o povo também pagou o preço dessa irresponsabilidade: a Petrobras teve prejuízo de mais de R$ 40 bilhões na época. Adivinha para quem sobrou essa conta? Dica: não foi nem para Dilma, nem para sua equipe.

Não adianta manipular preço na canetada, petistada. Preço não é vontade política e a interferência estatal só piora a situação. O Brasil não merece outra crise.