Filiada ao PCdoB, Manuela d’Ávila fala em “defesa da democracia”

A eleição acabou, mas as hipocrisias de Manuela d’Ávila continuam. A derrotada candidata à vice-presidência na chapa

 29 de outubro de 2018 | 15h46
Por Guto Zacarias

A eleição acabou, mas as hipocrisias de Manuela d’Ávila continuam. A derrotada candidata à vice-presidência na chapa de Fernando Haddad (PT) se manifestou pouco após os resultados do pleito, dizendo: “Eles venceram, mas a luta vai continuar. Vamos permanecer juntos, resistir e defender a democracia e a liberdade”. Só pode ser piada.

Filiada ao PCdoB, Manuela foi deputada estadual e pré-candidata à presidência da República por um partido que, em nota, defendeu o regime ditatorial da Venezuela. Logo após uma eleição marcada por denúncias de fraudes, o PCdoB emitiu um comunicado defendendo a “vitória retumbante do povo Venezuelano”.

Veja o trecho:

“Fazemos votos para que na nova etapa que se inaugura com a reeleição do presidente Nicolás Maduro a Venezuela encontre a paz, a estabilidade política e conquiste novas e maiores vitórias, com a retomada do desenvolvimento econômico e social e a realização dos objetivos de sua revolução democrática, popular e anti-imperialista.”

Mais uma vez, o conceito de “democracia” foi deturpado por Manuela d’Àvila.