Após mostrar filho atirando em pai, Haddad diz que “campanha está muito baixa”

Fernando Haddad, candidato do PT à Presidência da República, afirmou em recente entrevista que a campanha eleitoral

 25 de outubro de 2018 | 16h20
Por Guto Zacarias

Fernando Haddad, candidato do PT à Presidência da República, afirmou em recente entrevista que a campanha eleitoral de 2018 é a mais baixa da história. Segundo o petista, a culpa desse nível grotesco é do seu adversário, Jair Bolsonaro, PSL, e das fake news.

A afirmação ocorreu durante um encontro com a ex-presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla, chefe da missão de Organização dos Estados Americanos (OEA).

Quem, de fato, baixou o nível?

A cerca de 10 dias, a campanha de Haddad divulgou um vídeo onde uma criança encontrava uma arma escondida na gaveta de um dos quartos de sua casa, apanhava o revólver, ia até a sala onde seus pais conversavam e, após gritos da mãe, atirava no pai. No final, aparecia a pergunta “É melhor Jair se acostumando?”, em referência ao trocadilho que eleitores de Bolsonaro fazem.

Uma campanha lamentável

De fato, a campanha presidencial desse ano tem um tom altamente belicoso de ambos lados, com uma intensa guerra de narrativas. A afirmação de Haddad não tem veracidade, mas não surpreende vindo de um sujeito que escolheu representar um projeto de poder do partido que virou uma organização criminosa, com direito até mesmo a um líder que está preso.