Moro deixa magistratura. Leia um trecho do pedido de exoneração

“Houve quem reclamasse que eu, mesmo em férias, afastado da jurisdição e sem assumir cargo executivo, não

 16 de novembro de 2018 | 13h08
Por Francine Galbier

“Houve quem reclamasse que eu, mesmo em férias, afastado da jurisdição e sem assumir cargo executivo, não poderia sequer participar do planejamento de ações do futuro governo. Assim, venho, mais uma vez registrando meu pesar por deixar a magistratura, requerer a minha exoneração do honroso cargo de juiz federal da Justiça Federal da 4ª Região, com efeitos a partir de 19/11/2018, para que eu possa então assumir de imediato um cargo executivo na equipe de transição da Presidência da República e sucessivamente ao cargo de Ministro da Justiça e da Segurança Pública Destaco meu orgulho pessoal de ter exercido durante 22 anos o cargo de juiz federal e de ter integrado os quadros da Justiça Federal brasileira, verdadeira instituição republicana”, diz trecho do pedido de exoneração de Sérgio Moro.

Elogiado por sua atuação na Lava Jato, Sérgio Moro declarou que pode chamar para sua gestão algumas pessoas da equipe que trabalhou na Operação. A juíza substituta Gabriela Hardt assumiu os processos que correm no âmbito da Lava Jato na primeira instância paranaense. Nessa semana aconteceu o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na ação que investiga reformas do sítio de Atibaia e tivemos uma amostra de sua postura. Logo no início, quando percebeu que Lula tentaria desvirtuar a oitiva para dizer que era um perseguido político, a juíza sentenciou: “Se começar nesse tom comigo, vamos ter problema.”

Gabriela é substituta e ficará temporariamente a frente das ações, até o TRF-4 nomear outro juiz para o antigo posto de Moro,

WERTHER SANTANA/ESTADÃO

WERTHER SANTANA/ESTADÃO