fbpx
Justiça
Elite do funcionalismo público ameaça ir ao STF contra reforma da Previdência

Com medo de perder privilégios, os servidores públicos que ganham altos salários são contra o aumento da alíquota da Previdência

22/02/2019 12h02

Após o anúncio dos principais pontos da reforma da Previdência do governo Bolsonaro na última quarta-feira (20), os servidores públicos que ganham altos salários já ameaçam ir ao STF contra o pagamento da alíquota de 22% proposta na reforma. A proposta é considerada pelos servidores como um confisco.

Com a proposta de reforma da Previdência, as alíquotas progressivas poderão chegar a 22% para quem recebe os chamados supersalários — valores acima do teto do funcionalismo público, que baliza os benefícios da categoria e corresponde ao salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), atualmente de R$ 39,3 mil.

Em resposta, centrais sindicais já marcaram protestos contra a reforma da Previdência. Até segunda-feira, carreiras de Estado do Executivo, Legislativo, Judiciário e Ministério Público discutirão a proposta e prometem manifestação pública contra as mudanças no Regime Próprio dos Servidores (RPPS) e do Regime Geral da Previdência Social (RGPS), dos trabalhadores da iniciativa privada.

As informações são do jornal Folha de S. Paulo.