Donald Trump impõe sanções a sauditas após jornalista ser assassinado

Nesta quinta-feira, 15, Departamento do Tesouro dos Estados Unidos impôs sanções para 17 sauditas envolvidos no assassinato

 15 de novembro de 2018 | 20h33
Por Francine Galbier

Nesta quinta-feira, 15, Departamento do Tesouro dos Estados Unidos impôs sanções para 17 sauditas envolvidos no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, morto no mês passado no Consulado da Arábia Saudita em Instambul, capital da Turquia, registrou A Folha.

Foi a primeira reação de Donald Trump ao caso. Khashoggi era colaborador do Washington Post e crítico da monarquia saudita. Acabou assassinado com uma injeção letal e teve o corpo esquartejado e retirado do edifício. O crime aconteceu no último dia 2 de outubro.

Um dos envolvidos no crime é Saud al-Qahtani. Ele era assessor do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. Mohammed Alotaibi, cônsul geral do país, também teve participação no crime. Outras 15 pessoas foram identificadas como parte do esquema do assassinato.

A confirmação da morte do jornalista foi comunicada oficialmente pela mídia estatal da Arábia Saudita, que usou a desculpa de que a morte teria decorrido de uma briga entre o jornalista e outras pessoas que ele teria encontrado dentro do consulado.