Despacho de prisão de Joesley e Ricardo Saud aponta que delatores ocultaram “fatos relevantes”

Mônica Sifuentes, desembargadora do TRF-1 e responsável pelo despacho das prisões de Joesley Batista e Ricardo Saud,

 9 de novembro de 2018 | 16h13
Por Cauê Del Valle

Mônica Sifuentes, desembargadora do TRF-1 e responsável pelo despacho das prisões de Joesley Batista e Ricardo Saud, informou que os executivos da J&F ocultaram ”fatos relevantes’’ em suas respectivas delações premiadas.

“As declarações são, portanto, recentes, e não correspondem ao que foi até o momento apurado pela autoridade policial, revelando que os indiciados continuam a ocultar os fatos, muito embora se comportem, aparentemente, como se estivessem colaborando com a Justiça, assinando acordos de colaboração premiada. Ao que parece, e à primeira vista, na verdade estão direcionando a atividade policial e investigatória para aquilo que lhes interessa revelar, ocultando fatos relevantes para o esclarecimento da atividade criminosa que se instalou no âmbito da administração pública federal”, escreveu Sifuentes.

Na manhã desta sexta-feira, 9, outras 17 mandados de prisão foram cumpridas pela Operação Capitu que investiga o esquema de propina envolvendo a JBS e o Ministério da Agricultura no governo Dilma Rousseff.