Investigações Especiais
Defesa de Queiroz entra na justiça para barrar quebra de sigilo

Advogado de Queiroz afirma que quer interromper o caso

15/05/2019 16h58

Ainda na polêmica envolvendo o ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, agora, sua defesa pretende entrar na justiça com um habeas corpus no TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) contra a decisão do juiz Flávio Itabaiana Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio, que determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de 95 pessoas físicas e jurídicas. Além da suspensão, o advogado Paulo Klein afirma que pretende interromper a investigação por considerá-la “ilegal”.

“A decisão [de quebra dos sigilos bancários] é ilegal, pois é lançada em direção a todos os investigados de forma genérica. Entendo que há a necessidade de um afastamento e isolamento de todos os investigados. Com o pedido de afastamento do sigilo bancário, ficou claro que o Flávio Bolsonaro sempre foi investigado pelo MP-RJ [Ministério Público do Rio de Janeiro] sem a devida autorização do TJ-RJ. O MP sempre negou isto e está provada agora mais uma ilegalidade”, afirmou a defesa de Queiroz.

A opinião do advogado vai ao encontro da opinião de Flávio Bolsonaro, que afirma que seu sigilo foi quebrado sem autorização judicial, fato refutado pelo MP-RJ. Flávio Bolsonaro também afirmou que informações detalhadas e sigilosas de sua conta bancária foram expostas e acusou, sem citá-lo nominalmente, que o chefe do Ministério Público vazou essas informações.”Não tem outro caminho para a investigação a não ser ela ser arquivada – e eles sabem disso”, disse o senador.

O MP-RJ afirmou repudiar as declarações de Flávio. “O referido parlamentar não adota postura similar à de outros parlamentares, prestando esclarecimentos formais sobre os fatos que lhe tocam(…). O Senador é presença constante na imprensa, mas jamais esteve no MPRJ, apesar de convidado”, diz o órgão.

Entusiasta política e acadêmica de Engenharia Química (UFPR) nas horas vagas; liberal na economia e nos costumes. Diretamente da República de Curitiba.