Que o conceito de Fascismo ganhou um cunho totalmente diferente do original, criado por Mussolini no século passado, a maioria de nós já percebeu. Hoje, basta discordar de alguém ou, basicamente, se auto-proclamar como “de direita” que a pecha de “Fascista” já caí sobre nós.

O Fascismo foi um movimento criado por Benito Mussolini na Itália do século XX. Tem como características principais: O anti-liberalismo, o trabalhismo, o populismo e o autoritarismo.

Com essas características citadas, podemos discorrer sobre quem é ou não fascista na atual conjuntura do debate político brasileiro.

Ficou claro que:

a) Jair Bolsonaro não é: uma vez que, apesar de não ser uma figura nitidamente pro-liberalismo, não é anti-liberal. Não é a favor do autoritarismo na nossa atual conjuntura e votou diversas vezes em pautas que são contrárias ao trabalhismo.

b) O PT está mais próximo do fascismo: O PT é assumidamente anti-liberal, a favor do trabalhismo e defensor feroz da nossa atual CLT (baseado na La Carta del Lavoro de Mussolini), extremamente populista e com medidas autoritárias como o Mensalão: tentativa do executivo de “comprar” o legislativo para passar suas pautas.

Portanto, chamar o eleitorado de Bolsonaro – ou o próprio Bolsonaro, seguidores do MBL ou quem quer que seja de “direita” – de fascista está, na maioria das vezes, errado.

É só mais um truque do PT, os verdadeiros fascistas da história, para desinformar a população em geral.

o/ Guto Zacarias