15 de novembro é a data em que se comemora a proclamação da República, mas há controversas nesta comemoração: muitos defendem que houve um golpe contra a monarquia. Por isso a edição do MBL News de hoje contará com um convidado especial: Luiz Phillippe de Órleans e Bragança, descendente da família real.

Luiz Phillipe e Kim Kataguiri comentam os principais assuntos desta quinta-feira, 15.

Na pauta:

Banco Central

O executivo do banco Santander Roberto Campos Neto foi indicado para comandar o Banco Central na gestão do presidente eleito Jair Bolsonaro. A informação foi confirmada pela equipe de transição do novo governo. O economista é neto de Roberto Campos, um dos expoentes do pensamento liberal. Para assumir o Banco Central, Roberto Campos Neto deve ser sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal.

Mais Médicos

A ditadura cubana recebeu R$7,1 bilhões do governo brasileiro entre os anos de 2013 e 2017. Jair Bolsonaro anunciou que os termos do programa seriam alterados: os médicos estariam condicionados a um teste de capacidade e, caso habilitados, iriam receber salário integral, sem destinar nenhum valor para Cuba. Além disso, familiares dos contratados também teriam liberdade para morar no Brasil. Cuba não aceitou os termos, encerrando o programa e provando o que a direita denúncia há tempos: o Mais Médicos era uma forma de financiar a ditadura cubana.

Violência

De acordo com o levantamento do índice nacional de homicídios, 38.436 brasileiros foram assassinados durante os 9 primeiros meses deste ano. O levantamento leva em consideração homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Ainda faltam números do Maranhão e do Paraná, pois esses estados não enviaram os dados referentes a setembro, julho e agosto.

O Lula tá preso, babaca

Na tarde de ontem, Lula prestou depoimento na ação que investiga as reformas no sítio de Atibaia. Foi a primeira audiência desde que a juíza Gabriela Hardt assumiu o posto de Sérgio Moro, que se afastou da Lava Jato após ser indicado para o Ministério da Justiça e Segurança Pública. A postura de Hardt foi elogiada após a audiência. Ela manteve firmeza em todos os momentos em que o criminoso tentou se vitimizar ou desviar o foco dos questionamentos e sentenciou: “Se começar nesse tom comigo, a gente vai ter problema.”

Golpe?

Hoje se completam 129 anos desde o golpe de estado contra a monarquia. Mesmo que historiadores defendam a importância da República, cada vez mais o argumento de que a proclamação foi ilegítima ganha força na sociedade brasileira. Por isso, trouxemos um convidado especial para falar sobre esse tema: Luiz Philippe de Órleans e Bragança.

Assista o MBL News ao vivo, às 19h00, no canal do MBL no Youtube.

o/ Francine Galbier

Imposto não é roubo! – Um Apelo à Defesa Consistente do Liberalismo

Por Alexandre Lopes “Que imposto é roubo é algo evidente!” §1 Há uma diferença fundamental entre os > continuar lendo…

Com novo filme nos cinemas, Danilo Gentili concede entrevista exclusiva ao MBL News

Palestrante do IV Congresso Nacional do MBL e um dos humoristas mais bem sucedidos do país, Danilo > continuar lendo…

MBL-Ceará é proibido de entrar em palestra pública de Ricardo Lewandowski

Nesta sexta-feira, 07, Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, ministrou uma palestra pública na Câmara Municipal de > continuar lendo…

10 motivos para ter vergonha do STF

A Constituição Federal brasileira garante liberdade de expressão a todos os brasileiros. É o que parece. Essa > continuar lendo…

“Faria tudo mil vezes e repito, eu tenho vergonha do STF”, diz advogado que recebeu ordem de prisão de Lewandowski em entrevista ao MBL News

Na última quarta-feira, 5, o Brasil ficou horrorizado ao descobrir que o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo > continuar lendo…

‘’Prefiro defender um policial no tribunal a ir ao funeral dele’’ diz Wilson Witzel em entrevista exclusiva ao MBL News.

 ‘’Quem está portando uma arma de guerra certamente não está disposto a conversar ou negociar com as > continuar lendo…

Escola Sem Partido está a um passo de ser votado na Câmara dos Deputados e se tornar lei federal

Há pouco tempo atrás, a imprensa condenou a postura de uma professora de história, a catarinense Ana > continuar lendo…