Em entrevista ao Jornal Nacional na noite da última segunda-feira, 29, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, aproveitou o espaço ao vivo para relembrar acusações levianas do jornal Folha de São Paulo contra ele e ressaltar como será a sua relação com os veículos de imprensa durante o seu futuro governo.

“As eleições acabaram. Chega de mentira, chega de fake news. Agora estamos numa outra era. Eu quero governar para todos, não só para os que votaram em mim”, respondeu o presidente.

Bolsonaro ainda relembrou duas matérias veiculadas pelo jornal, uma envolvendo uma suposta funcionária fantasma em seu gabinete e a de suposto uso de ‘caixa 2’ durante a sua campanha para a divulgação em massa de conteúdo via Whatsapp, das quais classificou como ‘fake news’.

“Aproveito o momento para fazer justiça no Brasil. Tem uma senhora de nome Walderice, uma mulher negra que tinha uma lojinha de açaí. O jornal Folha de S.Paulo foi lá e rotulou de forma injusta como ‘fantasma’. Ela estava de férias. Ações como essa por parte de uma imprensa que comete injustiça e não volta atrás, não posso considerada essa imprensa digna.”

Em resposta publicada e através das suas redes sociais, o jornal alegou que o presidente eleito não deixa de ameaçar o veículo e que ainda não havia entendido ‘o papel da imprensa nem da Constituição que promete seguir’.

Em outro episódio recente envolvendo a Folha, divulgado nesta terça-feira, 30, o Ministério de Relações Exteriores da Colômbia, por intermédio do chanceler, Carlos Trujillo, desmentiu a matéria divulgada pelo jornal divulgando uma suposta aliança entre o governo colombiano e o de Bolsonaro, em uma ofensiva militar contra o ditador venezuelano, Nicolás Maduro.

Cauê Del Valle
@cauedelvalle
24, paulistano, publicitário em formação pela Anhembi Morumbi, coordenador nacional do MBL e repórter do MBL News.