Opinião
Bruno Covas, o prefeito que São Paulo não conhece

Quem é e o que faz o vice que virou prefeito da maior cidade do país

27/04/2019 12h48

Prefeito de São Paulo Bruno Covas (Foto: Reprodução)

Bruno Covas é prefeito de São Paulo há pouco mais de um ano e o paulistano sequer sabe o que ele tem feito desde então. A sua gestão é marcada por erros e omissões. Nada substancial foi feito, e é por isso que boa parte dos paulistanos não sabe o nome do atual prefeito. Os números de Covas que foram divulgados por um instituto de pesquisa já mostram que seu governo é natimorto. Aqui, colocarei alguns motivos, além da clara inabilidade do prefeito para o cargo, para justificar o seu fraco desempenho.

Antes disso, é importante ressaltar que, recentemente, em entrevista à CBN, o prefeito disse que respeita as críticas que nós do MBL realizamos, mas acredita que elas sejam advindas de uma intenção em ter um candidato próprio na disputa pela Prefeitura de São Paulo em 2020. É claro que, se existir a possibilidade, o MBL estaria disposto a encarar o pleito, ainda mais sabendo que os nomes já colocados não compactuam dos mesmos valores que os nossos. E é justamente por não compactuar dos mesmos valores que Covas recebe nossas críticas.

Ao assumir a Prefeitura, Covas chamou para comandar a Secretaria de Cultura um simpatizante do PSOL, que defende Lula Livre e que acha o impeachment – que o Prefeito participou – um golpe. Ora, eu jamais chamaria alguém que me acha um “golpista” para governar e partilhar dos mesmos ideais que eu, tampouco aceitaria participar de um governo em que seu líder tenha golpeado a democracia. Aparentemente, eles não se incomodam com essa incoerência. E enquanto a incoerência impera, os desmandos e a farra dos gastos no Theatro Municipal continuam.

Não foi só do secretário esquerdista que Bruno Covas se aproximou. Outra aproximação que ele construiu foi com o sindicato dos táxis, o que fez com o Prefeito anunciasse diversas regulamentações que asfixiam os aplicativos de transporte na cidade de São Paulo.

As ações feitas às escondidas, como a manutenção do contrato com Instituto Odeon (que administra o Theatro Municipal), a ida à Europa em meio às chuvas que abalaram a cidade e o projeto que passou às escondidas e turbinou os salários do seu secretariado – que foi escolhido com base no “toma-lá-dá-cá” partidário – são outros motivos para seu insucesso. Isso tudo sem contar a criação do Parque Minhocão, uma obra que fará com que São Paulo perca mobilidade e está sendo divulgada por Covas como uma grande inovação.

A marca que Bruno Covas está deixando na cidade é a de ser o prefeito que a população sequer sabe o nome – o que talvez ele até goste, afinal, dá pra ir pra balada com tranquilidade.

23 anos, formado em Relações Internacionais pela ESPM e pós-graduado em Ciência Política pela FESPSP. Repórter e colunista às sextas, escreve sobre política internacional.