Opinião
Alerta aos esquerdistas, o Projeto Escola Sem Partido não tem lado

O combatido projeto pelos doutrinadores esquerdistas, pode em algum momento ser importante aos pensamentos da própria esquerda.

15/02/2019 10h32

O combatido projeto pelos doutrinadores esquerdistas, pode em algum momento ser importante aos pensamentos da própria esquerda.

O Projeto Escola Sem Partido, de autoria do advogado Miguel Nagib, amplamente defendido e impulsionado por movimentos como o MBL (Movimento Brasil Livre), pode também proteger a tão receosa esquerda de uma eventual doutrinação que penda à direita.
Parece algo impensável, mas a realidade é que os tempos mudam, as pessoas se vão e novos costumes se colocam perante um mundo que é passível de transformações. Por isso, pensar que em algum momento, mesmo que ainda estejamos distantes, o ambiente escolar poderá estar livre da supremacia vermelha em detrimento de uma verde-oliva, é algo a se considerar.
Perante esse cenário, busco reforçar a importância de um debate sério e verdadeiro sobre o projeto, que visa garantir por lei o direito dos alunos de aprender as matérias básicas, como: Português, Matemática, Geografia, Física, História, dentre outras, sem que o professor doutrinador abuse da liberdade de ensinar em sala de aula.
Lembrando que o projeto Escola Sem Partido em sua essência, se resume em afixar um cartaz em sala de aula que traz os deveres do professor que já estão previstos em Lei. Nenhuma nova norma é acrescentada ao ordenamento jurídico, nenhuma alteração nas diretrizes da educação. 
O objetivo é fornecer conhecimento aos alunos de seus próprios direitos, dentre eles o de aprender, o de ter opinião, de não ser prejudicado ou perseguido por ter uma visão politica diferente das de seus professores, com isso o próprio aluno poderá se defender caso algum abuso neste sentido ocorra em sala de aula. 
Através da implementação do projeto o ambiente escolar se torna mais plural e poderá mais facilmente trabalhar com diversos pontos de vistas e opiniões, enriquecidos com um ensino aprofundado das matérias, que gerará alunos mais capacitados e com um futuro muito mais promissor que a simples formação de militantes de esquerda. 
Sendo necessário o projeto, pois em sala de aula os alunos formam público cativo, o professor mal intencionado pode utilizar de sua vantagem perante tal público, deixar o ensino de lado e passar a perseguir e doutrinar por sua própria linha ideológica. 
Posta tal situação, penso que apenas os que de alguma forma fazem uso do ambiente escolar para fazer doutrinação ideológica e partidária, são os que se colocam contra o Escola Sem Partido. Uma vez que o ESP, garante voz a todas as partes, independente de posição ideológica, e também fortalece o direito de opinião e pensamento sem qualquer prejuízo acadêmico.
Atenção esquerdistas, o pêndulo da educação pode mudar à direita, se você não faz parte da gangue doutrinadora que se desespera com o Escola Sem Partido é melhor começar a defender uma Escola Sem Partido.